petbrill

Em um mercado exigente e ávido por novidades, a Petbrill quer ser reconhecida pela inovação. A empresa oferece produtos variados, de shampoo para pets a snacks. Veja o que tem a dizer o diretor presidente da companhia, Henrique Caran Seibel.

Quais são os principais focos de desenvolvimento de sua empresa neste momento?

No momento, estamos focados em inovação. Desenvolvemos formulações com produtos naturais e embalagens diferenciadas.

Quais são os seus diferenciais?

Embalagens, formulação e custo benefício.

Quais os principais desafios em se tornar inovador frente a um mercado que se torna cada dia mais amplo?

Estamos sempre atentos ao mercado mundial, indo a feiras e exposições. Também mantemos contato com fornecedores de matérias primas, para saber de tudo que há de novo.

Por quais motivos optou por se associar à Abinpet e quais são suas expectativas?

Os motivos são ter mais informações sobre o mercado e poder participar de feiras e palestras.

Acesse:  http://www.petbrill.com.br/petbrill/.

Latoy

Localizada em uma área de preservação ambiental da Mata Atlântica, a Latoy Brinquedos é uma fabricante de brinquedos em látex que se preocupa com o meio ambiente e utiliza apenas matéria-prima 100% natural. O diretor, Marcelo Brandão, acredita que a procura por esse tipo de acessório para pets aumenta cada vez mais. Confira no bate-papo que tivemos com ele.

Quais são os principais focos de desenvolvimento de sua empresa neste momento?

No momento, a empresa está focada nos processos de produção, principalmente na aplicação de novas tecnologias e na distribuição dos produtos. Nossa consolidação fora da região Sudeste tem sido um grande desafio, principalmente no Norte e no Nordeste, onde a busca ainda é por produtos mais básicos para o pet.

Quando e por qual motivo decidiram ter uma linha de produtos para pet? Pretendem ampliar essa linha?

A linha existe desde a abertura da empresa, em 1998. À época, a demanda de brinquedos para pet era pouco significativa, mas esse segmento só cresceu. Desde então, investimos cada vez mais na linha pet, inclusive pensando na exportação.

Agir pensando no meio ambiente é um desafio para sua empresa?

Para nós, foi natural agir sempre pensado em não agredir o meio ambiente, ainda mais pelo local que estamos. Nós precisamos nos preocupar com a Mata Atlântica, nunca foi uma dúvida ou dificuldade.

Por quais motivos optou por se associar à Abinpet e quais são suas expectativas?

Fizemos isso porque queremos expandir nossa atuação e começar a exportar os produtos. Acreditamos que, com a Abinpet, a Latoy pode ter grandes oportunidades.

Acesse: http://www.latoy.com.br/portugues/.

Furacão-Pet

A Furacão Pet é a maior fabricante de acessórios e brinquedos de borracha da América. A empresa é líder no segmento de acessórios e tem uma linha com mais de 440 produtos. O sócio da companhia, Hugo Fernando Martins, fala um pouco sobre perspectivas e desafios abaixo.

Quais são os principais focos de desenvolvimento de sua empresa neste momento?

Visitamos diversas feiras na Europa, Ásia e EUA, trazendo e desenvolvendo, em nossa própria fábrica de moldes, produtos com as tendências do mercado mundial. Hoje, o foco da Furacão Pet é expandir seus negócios com a exportação. Atualmente, vendemos para o Uruguai, Costa Rica, Argentina, Chile, EUA e estamos com negociações em vários outros países. 

Quais são os seus diferenciais?

Temos vários, que nos colocaram na liderança do segmento. Posso destacar nosso catálogo, lista de preços e site bilíngues; produtos encartelados em embalagens especiais; produtos com códigos de barras; matérias-primas atóxicas e de alta qualidade; produtos embalados em caixas de embarque padrão para não estragar e não empoeirar ; tabelas de preços completas e de fácil entendimento; lançamentos mensais; estoque de produto acabado, com 60 dias de antecedência, e mais 60 dias de antecedência de matérias-primas, fator que agiliza a entrega; e produtos customizados para brindes.

Tudo isso faz com que nossos preços sejam mais competitivos, pois o produto tem ótimo valor agregado. Nossos parceiros têm altas margens de lucratividade e também participamos das principais feiras nacionais e internacionais.

Em sua opinião, quais são os principais desafios do setor? E como agir para solucioná-los?

Acredito que, diferentemente do mercado externo, o setor no Brasil cresce independentemente de crise política e/ou econômica. Os mercados externos apresentam resultados diferentes no momento que dependem de cotação cambial, políticas governamentais e hábitos culturais específicas do mercado-alvo.

Acho que para solucionar nossos desafios precisamos acompanhar continuamente o cenário internacional no que diz respeito a cotações cambiais e políticas governamentais. Além disso, um cuidado com o posicionamento da marca Furacão Pet, para fortalecer propostas e diretrizes da nossa empresa.

Estamos certos que com a alta do dólar nosso produto ganhará muito mercado no âmbito nacional e internacional, pois no Brasil o produto importado ficará muito caro e no mercado internacional nosso produto terá um preço muito atraente.

Por quais motivos optou por se associar à Abinpet e quais são suas expectativas?

Entre os muitos motivos que levaram a Furacão Pet a se associar à Abinpet, um dos principais é a ótima oportunidade que a associação dá aos seus membros ao promover nossa participação em feiras internacionais de muita relevância para o setor pet. Podemos indicar também que as reuniões e workshops organizados pela Abinpet são de grande valia para a empresa enriquecer e alinhar seus projetos de exportação dentro de seus planos de negócio.

Acesse: www.furacaopet.com.br.

logo_abinpet_350x101px_rgb

Em 2015, o setor atingirá R$ 17,9 bilhões em faturamento, um aumento de 7,4% sobre 2014. Nova identidade visual mostra dinamismo e dialoga com diversos públicos

A Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) lança este mês sua nova identidade visual, muito mais moderna. A tipologia é robusta e tem cortes retos para uma leitura rápida e fácil, fatores que transmitem seriedade e confiança. Dessa forma, a entidade visa dialogar com diversos públicos, dentro e fora da cadeia pet, passando por imprensa, autoridades governamentais e consumidor final.

Previsões da associação indicam que, em 2015, o setor atingirá R$ 17,9 bilhões em faturamento, um aumento de 7,4% sobre 2014. Os responsáveis pelo montante são os 132,4 milhões de animais de estimação, divididos em 52,2 milhões de cães, 37,9 milhões de aves, 22,1 milhões de gatos, 18 milhões de peixes ornamentais e 2,21 milhões de pequenos animais, como répteis e mamíferos. “O desenvolvimento do setor o torna cada vez mais representativo para a economia brasileira e o cotidiano das pessoas. Por isso, precisávamos repaginar a marca Abinpet. Somos uma entidade dinâmica, e estamos em sintonia com as demandas de nossos associados e da sociedade”, explica o presidente executivo da Abinpet, José Edson Galvão de França.

Sobre a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação

 A Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) representa a indústria Pet. A entidade congrega os segmentos Pet Food (alimento), Pet Vet (medicamentos veterinários) e Pet Care (equipamentos, acessórios e produtos para higiene e beleza).

Além disso, a Abinpet tem os métodos mais confiáveis de compilação dos dados do setor e é referência na promoção de ações que tenham por finalidade fortalecer essa cadeia. A projeção é que este ano o faturamento atinja os R$ 16,5 bilhões, um crescimento de 8,8% em relação ao ano passado. É cada vez maior a participação desse setor na economia nacional e, por isso, é parte relevante do agronegócio: até o fim de 2014, estima-se que cerca de 66,9% do faturamento venha dos produtos para nutrição animal, cuja composição é 95% agropecuária, com elementos como milho, soja, arroz, trigo e carnes de aves, bovinos e peixes.

Todos os produtos da indústria de alimentos e medicamentos veterinários são  fiscalizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, na Secretaria de Defesa Agropecuária (DFIP, DIPOA e Vigiagro).