Inflação e alta de impostos impactam números do setor pet

Inflação e alta de impostos impactam números do setor pet

Abinpet calcula que o volume de exportações de produtos para animais de estimação terá queda brusca em relação a outros anos; setor deve faturar R$ 19,2 bilhões em 2016.

 

De acordo com o levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), no primeiro semestre de 2016, as exportações brasileiras de produtos Pet somaram US$ FOB 107,1 milhões. Este número é menos da metade do volume exportado no ano passado, cujo valor final foi de US$ FOB 351,4 milhões, montante que já registrava queda de 14% perante 2014. Já as importações brasileiras de pet food somaram US$ FOB 2,9 milhões no período. No ano passado, o total de pet food importado chegou a US$ FOB 6,6 milhões.

Efeitos de inflação e alta de impostos interferem no faturamento do setor pet

O faturamento do mercado Pet deve crescer 6,6% em relação ao ano passado, segundo a entidade. Em 2015, o setor atingiu R$ 18 bilhões, e até o final deste ano, deve chegar a R$ 19,2 bilhões, somando os segmentos de Pet Food (67,5% desse faturamento); Pet Serv (serviços como banho e tosa e outras atividade, 16,3%); Pet Care (equipamentos, acessórios, produtos de higiene e beleza animal, 8,1%) e Pet Vet (medicamentos veterinários, 8,1%).

O Brasil deve permanecer em terceiro lugar no ranking do mercado mundial do setor, respondendo a 5,3% do faturamento global, atrás dos Estados Unidos, país responsável por 42% de todo o mercado mundial, e Reino Unido, segundo colocado com 6,7%. Em todo o mundo, em 2016, o setor deve faturar US$ 103,7 bilhões, alta de 1,5% sobre o ano anterior.

Apesar do aparente crescimento do faturamento geral nacional, deve-se levar em conta a inflação do período, e a alta carga tributária do setor, que corresponde a 51,20% do preço final do produto. “Mais da metade do valor do produto pet, quando chega ao consumidor final, é composto de impostos, o que não corresponde à importância dessa cadeia de valor na economia brasileira e nas compras cotidianas das famílias. O alimento industrializado, por exemplo, é o único completo para o animal, que garante sua saúde e bem-estar”, analisa o presidente executivo da Abinpet, José Edson Galvão de França.

O Brasil já ultrapassa a barreira dos 132,4 milhões de pets, entre cães, gatos, aves, peixes e outros animais. Desses, mais de 52 milhões são cães, e outros 22,1 milhões são gatos. Aves totalizam 37,9 milhões. Peixes e outros contabilizam mais de 20 milhões de animais.